Eu com 5 anos - DESENHADA POR NEVES E SOUSA



Esta face de menina sou eu com 5 anos, desenhada pelo pintor Albano Neves e Sousa - da colecção dos meus pais
xxxxxxxxxxx
"Para além dos quadros e quadras

Para além dos seus quadros e da poesia, Albano Neves e Sousa foi, sem dúvida, notável em vários outros campos de actividade. Temos a esperança de que a partir da Casa Neves e Sousa se faça um trabalho de inventariação — que será, obviamente, sempre incompleto — do que foi a sua acção no registo do quotidiano e dos povos e paisagens que ele nos queria deixar.
O rigor do seu desenho impressiona. Há mesmo quem considere que os seus desenhos estão a par das suas aguarelas, e nós sabemos bem como elas eram apreciadas, por exemplo, em Espanha. E temos de reconhecer como notável a facilidade com que ele registava as coisas mais simples, descobrindo nelas o seu lado mais belo.
Dotado de um grande sentido de oportunidade, a ironia das suas caricaturas provocam em nós um sentimento de cumplicidade. Não era fácil tomar-se uma refeição com o Albano sem partirmos com um ou dois desenhos (em papel, no guardanapo ou num prato…) que os seus amigos guardam com veneração…
Divertia-o esse seu lado de “menino marotão” e assim gostava também de se identificar.
Ficaram como verdadeiros marcos alguns dos seus painéis… Desde logo o grande mural do Aeroporto Internacional de Luanda. É uma peça monumental de 345m2 em grafite, que homenageia os povos e etnias de Angola. Era a primeira imagem de Angola para muitos dos que chegavam a Luanda.
Muitos edifícios públicos e particulares tinham nas suas áreas públicas (comuns) a “marca” Neves e Sousa. Alguns desses trabalhos já não existem (Grande Hotel da Huila / Lubango, Hotel Terminus / Lobito…), mas doutros conseguimos trazer registo para este livro. É o caso do painel do Hotel dos Navegantes, no Lobito (que foi reabilitado em 1989 por iniciativa da União dos Artistas Plásticos de Angola) e dos 6 “quadros de parede” do Hotel Universo, em Luanda. Albano Neves e Sousa tinha uma relação muito especial com o dono desse Hotel – um galego, Manuel Trigo Gonzales – e foi comensal durante anos do Hotel. Dizem-me que os quadros foram parte do pagamento na forma preferida por Manuel Trigo, um grande apreciador da sua arte.
Ainda no capítulo das decorações murais, há a assinalar um trabalho na Aerogare do Aeroporto da Praia (um grande quadro de parede representando uma praia da Ilha de Santiago) e um trabalho (magnífico) no Palácio Presidencial, em S. Tomé, (um tríptico no patamar da escadaria principal, representando cenas do quotidiano de S. Tomé e Príncipe) que serviu de motivo para uma nota daquele país africano.
Albano Neves e Sousa ilustrou muitos livros com as suas “vinhetas”. Destacamos o trabalho que efectuou para o livro do Dr. António Videira, outro símbolo da Angola dos anos 50 e 60. E são da sua autoria as capas de muitos livros tratando, sobretudo, de temática africana. Por exemplo, dos livros de Reis Ventura. É curioso notar que uma série de livros saídos recentemente sobre Angola, continuam a usar trabalhos de Neves e Sousa como marca identificativa. É o caso dos recentes trabalhos do Dr. Costa Oliveira, antigo Secretário Provincial da Economia de Angola, e do escritor Oliveira Pinto.
É também da sua autoria o símbolo da TAAG. A palanca negra idealizada por Neves e Sousa é, desde há quase 40 anos, a imagem da transportadora aérea nacional angolana.
E quem visita o Museu de História Natural de Angola (ex-Museu de Angola) ficará maravilhado com os "painéis" que Neves e Sousa idealizou para enquadrar os animais embalsamados que lá se encontram.
E poderíamos prolongar as nossas referências a calendários, desenhos para cerâmica, etc., mas faremos apenas uma referência final à sua presença no mundo dos selos. Milhões de pessoas tiveram a ocasião de admirar os seus desenhos através dos selos que ele desenhou. E não apenas para Angola. De Angola o "Selo do Povoamento", os "Selos da Assistência" onde um dos seus filhos é retratado, a série da Welwitchia Mirabilis, os selos da "Série comemorativa dos 75 anos do Hospital Maria Pia". E, sobretudo, são inteiramente "ele", os selos dessa espantosa série de 1959, “Tipos Indígenas”, de que deixamos alguns exemplares para registo.
Não deve ter sido fácil para Neves e Sousa, que detinha um conhecimento único dos povos e etnias de Angola, seleccionar apenas doze para integrarem a série "Tipos indígenas", ou seja, uma ínfima parte do "cadinho" dos povos de Angola.
Reproduziu nas suas cores o que desenhou, como o testemunham as pessoas que conheciam bem as respectivas regiões...."

Texto retirado deste site
_________________________________

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTO DE COMENTÁRIOS